Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital do AE Laranjeiras – PADDE

O Agrupamento de Escolas das Laranjeiras dará já este ano letivo de 2020/2021 início ao PADDE – Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital.

A construção deste Plano estará a cargo de uma equipa que é constituída pelos seguintes elementos: Ana Paula Paiva, Anselmo Jorge, João Algarvio Paio, Isabel Ramos, Pedro Marques Regina Sousa e Rui Ferreira.

O desenvolvimento da competência digital das organizações educativas assume atualmente uma dimensão fundamental na qualidade do trabalho de ensino e aprendizagem realizado nas escolas. 

Existem atualmente referenciais europeus que enquadram o desenvolvimento digital das escolas:

  •  O DigCompEdu enquadra a necessária competência digital dos Educadores e estabelece um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital;
  • O DigCompOrg enquadra as Organizações Educativas no desenvolvimento da sua competência digital e dirige-se a todas as organizações educativas que pretendam promover a inovação de processos e práticas através da integração das tecnologias digitais.

O PADDE da nossa Unidade Orgânica só será possível de concretizar se toda a comunidade educativa se envolver de forma ativa, participada e interessada nas diversas fases do plano:

Numa 1ª fase haverá a recolha de evidências a partir da informação recolhida por processos de diagnóstico SELFIE e Check-In e tendo em conta o histórico da escola.

A recolha é elaborada em blocos bem definidos por níveis de ensino, ou seja, um bloco ao nível (só para) do 1º ciclo do ensino básico (4º ano), outro ao nível dos 2.º e 3º ciclos do ensino básico, um ao nível do secundário e por fim um ao nível dos Ensinos Profissional e Recorrente.

Na 2ª fase a SELFIE compila os resultados dos questionários num relatório interativo, facilitador da identificação dos pontos fortes e dos pontos fracos, sobre a forma como as tecnologias são utilizadas nas escolas, permitindo avaliar a situação do Agrupamento nas dimensões: Organizacional, Tecnológica e Pedagógica, no âmbito das tecnologias digitais. 

Esta recolha é feita com recurso a breves afirmações e perguntas numa escala de concordância simples de 1 a 5, incluindo N/A. As afirmações abrangem oito domínios:  a liderança, colaboração e trabalho em rede, as infraestruturas e equipamentos, desenvolvimento profissional contínuo, pedagogia – na vertente apoios e recursos, pedagogia – aplicação em sala de aula, práticas de avaliação e as competências digitais dos alunos. 

As perguntas são adaptadas a cada grupo de respondentes, por exemplo, os alunos têm perguntas relacionadas com a sua experiência de aprendizagem, os professores refletem sobre a formação e as práticas de ensino e os dirigentes escolares respondem sobre o planeamento e a estratégia global.

É muito importante que cada interveniente responda ao questionário e que o faça tendo em conta a realidade do Agrupamento e a realidade da sua prática no ensino presencial. A participação de todos é extremamente importante para que seja conseguido um bom diagnóstico que nos permita identificar as áreas do foco do Plano de Desenvolvimento Digital da Escola e encontrar soluções para os problemas reais do Agrupamento. 

 Algumas recomendações para responder ao SELFIE:

O SELFIE não mede nem compara os conhecimentos ou as competências dos utilizadores. É importante que cada interveniente responda tendo em conta a realidade do Agrupamento de Escolas das Laranjeiras e a realidade da sua prática (no ensino presencial), uma vez que, a partir destas respostas, o SELFIE gera um Relatório personalizado, uma “imagem” – “selfie” -, cujas conclusões ajudam a nossa Unidade Orgânica a determinar a sua situação e, a partir daí, a iniciar um debate sobre a utilização das tecnologias e a desenvolver um Plano de Ação de Desenvolvimento DigitaL (PADDE). O SELFIE demora a responder cerca de 40 minutos para professores e 20 minutos para os alunos.

  • responder a todas as questões com muita seriedade, não deixar de responder a alguma questão;
  • os alunos irão responder ao questionário durante uma aula, acompanhados pelo diretor de turma a uma sala TIC, em horário a agendar pela Direção do Agrupamento (no 1º ciclo os alunos irão à sala de recursos/biblioteca);
  • o diretor de turma recebe o link dos questionários a aplicar aos alunos e deve encaminhá-lo para os seus emails institucionais, e deve orientar e prestar todos os esclarecimentos necessários aos alunos;
  • a SELFIE é de resposta contínua – na resposta à SELFIE não são guardadas respostas incompletas. Quando se inicia a resposta a um questionário tem de se terminar sem interrupções;
  • antes de responderem, os participantes devem ler atentamente as afirmações e respetivos textos de ajuda;
  • em cada afirmação, caso não se saiba responder, não o fazer com um valor da escala (1 a 5). Deve responder-se selecionando a opção N/A de modo a não enviesar os resultados;

Neste sentido far-se-á a análise dos dados tendo em conta a análise dos dados recolhidos na fase de diagnóstico-interpretação e reflexão sobre os resultados alcançados;

A 3ª fase será a elaboração e definição do Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital da Escola;

Na 4ª fase, planeamento, será realizado um cronograma de ações e implementação, de acordo com as prioridades definidas; 

A 5ª fase tem por base a comunicação onde será feita a divulgação à comunidade do trabalho em curso;

Na 6ª fase haverá a monitorização das ações e avaliação que terá por base a aferição e adequação dos níveis de implementação e consecução dos objetivos definidos no plano.

O PADDE é um documento estruturante que refletirá a visão da escola sobre o papel que pretende para a integração das tecnologias digitais na concretização do seu Projeto Educativo e para a melhoria de todo o processo educativo e organizacional, definirá o caminho e sobretudo o ritmo que a escola pretende imprimir para a integração do digital.

O PADDE trará intencionalidade, coerência, rigor e sobretudo um compromisso através de um foco na monitorização, avaliação e na procura de evidências. Trará uma visão global e articulada sobre o impacto das tecnologias digitais na vida da escola em três dimensões fundamentais: dimensão pedagógica, dimensão organizacional e dimensão tecnológica, que, no seu conjunto, permitirão uma transição digital plena.

Assim, só com um bom diagnóstico, em que todos participem, será possível identificar as áreas mais fragilizadas e os constrangimentos mais evidentes – onde esse plano se irá centrar – e encontrar soluções e oportunidades para problemas reais que se debatem no dia a dia no processo de lecionação da escola.